Mensagens

A mostrar mensagens de Setembro, 2011

De "volta à minha terra"

A nostalgia tem nome: Moçambique!
Foi naquele país, decorado por deuses de múltiplas facetas estéticas, que me descobri como homem; aí cresci e quase completava determinado cíclo da minha existência quando valores mais altos se levantaram e retornei à "minha" serra e à casa onde nasci, longe do Atlântico.
Na falta de ondas e marés e sem correntes de feição, recorro à ciência para estar mais perto das razões da saudade. Os sons chegam do outro lado do mundo...
Ao serão tive companhia de elevado grau e qualidade - do locutor de serviço ao homem da técnica, de Villaret a Manuel Alegre, de Pedro Abrunhosa à "ELisa Gomara Saia", interpretado, o tema, por voz genuína, sem trejeitos...
- Um clique e "chego a casa", penso!
 Marco um número no telefone e espero dois, três segundos:
 - Bom dia, fala da Rádio Moçambique......
...Eram quatro da madrugada na "minha terra"!

Mais "moinhos de vento" e nem mais uma mini-hídrica

Imagem
Pelo anterior Governo foi autorizada a implementação e concessão de uma mini-hídrica no rio Alva, entre Côja e Secarias, com uma potência instalada de 2 Megawatts A obra é "irmã gémea" da que existe em Avô, à revelia da vontade da maioria do povo. Conhecidos os malefícios ambientais, agora, como antes, é altura de cada um de nós manifestar o seu repúdio:
- " BASTA, não, não quero que continuem a assassinar o nosso rio"!
Estão "na moda" os "novos moinhos de vento" que se vêm recortados no horizonte. Dom Quixote, se fosse vivo - e Miguel de Cervantes também! - era bem capaz de os "guerrear", ou talvez não... se soubesse que apenas UM destes moinhos produz, no mínimo, igual potência à da mini-hídrica que querem construir no rio Alva, a seguir a Côja! Venham mais "moinhos", isso sim, e deixe-se o rio no sossego dos seus segredos milenares, a caminho do Mondego, que também está sujeito a crimes semelhantes - ele e o Ceira!

Confessionário

Pensando bem, o melhor é assumir desde já a minha aversão à violência – seja ela física ou verbal.
Da primeira quero distância, e da segunda  às vezes aproximo-me - aguento-a com tento na língua e  vou à luta quando o opositor justifica que esgrima argumentos. No confessionário admito as minhas fraquezas e a ignorância do desconhecido; apenas sei  “ ler e escrever”, e a inteligência não me presenteou com a erudição dos predestinados.
O carácter, esse desejo-o firme quando vacilo, não importa quando, onde e porquê – sendo humano, caio e levanto-me as vezes que forem precisas. Obviamente, recuso-me a existir de joelhos no limbo da minha consciência, que morrerá  inteira se para tanto o juízo não me atraiçoar um dia destes … Aprecio o belo de cada coisa e olho o horizonte com a atenção que é devida ao Universo. Mais perto, à distância dos sentidos, a sensibilidade de que sou capaz permite a paixão do amor - de todo o amor! Assim sendo, insisto na denúncia da minha teimosia: gosto, por que …

"Memórias" de Gabriel Garcia Márquez

Reli "Memórias das minhas putas tristes", de Gabriel Garcia Márquez, colombiano, prémio Nobel da Literatura em 1982 com a obra "Cem Anos de Solidão". Diz o autor, sobre o avanço da idade no homem maduro, que "...as primeiras mudanças são tão lentas que mal se notam, e continuamos a ver-nos de dentro como sempre tínhamos sido, mas os outros vêem-nos por fora...". Quem olha de "fora para dentro", de facto nem sempre se apercebe que o "interior" não é, necessariamente, o reflexo do "exterior"... ___________

Escuteiros do Agrupamento 71 nas "terras do Alva"

Imagem
Escuteiros do Agrupamento 71 da Parede estiveram  nas "Terras do Alva" durante quatro dias. Uma pequena mostra fotográfica  do acontecimento pode ser vista aqui: http://freguesiabarril.blogspot.com/

Possivelmente...

Recuperei um texto  publicado  em 4 de Outubro de 2006, possivelmente escrito numa noite de insónias (ou não!).
Desse tempo guardo a nostalgia do "Ritual", onde  a música e a poesia com facilidade se confundiam com as palavras de uma  saudável discussão de ideias. E havia  quadros pintados por artistas talentosos, peças de artesanato de mundos distantes, flores, e um canário no hall de entrada (...). ....Também trocava bebidas, "princesinhas", tostas mistas e outros aconchegos por  meia dúzia de euros... ...

É tarde nesta madrugada que tem quase horas de sol.
Medito sobre as conclusões que vêm em catadupa.
Frágil, o espírito parece que dói.
O corpo gasta-se pelo peso das luas cheias, sempre redondas.
A minha fortuna é tempestade do que sou em constante desalinho.
Entre o pouco e o nada, fico sonhador do que não fui capaz, teimoso e irreverente, submisso às vezes – apaixonado, sempre!
Penhoro a palavra que fica entre a honra e a safadeza, numa tentativa de adivinhação d…

Urtigal

Imagem
A meio da tarde de ontem, quarta feira, 31 de Agosto, o rio  no Urtigal corria calmo e havia nuvens no céu...