sexta-feira, 26 de agosto de 2011

Hegel

…Portanto, Hegel tem razão: 
"o belo é coisa espiritual..."
 - cada um entende a beleza segundo os contornos da sua sensibilidade…”.

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Férias II

Durante as férias, se a sensibilidade "estiver de feição",
 é possível (re)descobrir recantos encantadores  no Barril de Alva 
- basta olhar com os olhos da alma!


 Um "doce" para quem localizar o clique do Nokia...

segunda-feira, 22 de agosto de 2011

Férias


Apesar do tempo incerto, o fim de semana foi animado no meu sítio, com imensa gente a confraternizar até às tantas da noite no Largo do Chiado.
A esplanada que o João Gouveia instalou no outro lado da rua, proporciona aos clientes do café “Vira Milho” a possibilidade de juntar os amigos em alegre cavaqueira, enquanto as crianças, em total segurança, se divertem no insuflável que diariamente têm à disposição.
Fora de portas continuam as festas de verão, e é por aí que os mais afoitos se “gastam” até acordar a madrugada; alguns dos meus, no uso do direito que lhes assiste, chegaram a casa passava das quatro deste domingo. Ao almoço éramos treze à mesa e as conversas não tiveram conto! Desfilar Memórias é um exercício que me agrada, sobretudo quando partilhadas pelos intervenientes, que sempre juntam pormenores às estórias, tornando-as numa delícia de ementa, com sítios, pessoas e situações como pratos principais, risos e algum gargalhar à sobremesa. Hoje, o almoço foi servido com recordações bonitas e agradáveis - até a Nônô e o Quico, os mais jovens da família, se portaram à altura, nada de “birrinhas”….                                                                        
Daqui a uns dias, tudo volta à normalidade desta “abençoada pasmaceira barrilense”, como escreveu a minha amiga Anabela num mail que me enviou na quinta feira…
Setembro não tarda… e o dia dezassete também não - ainda bem ...para“matar a saudade"!

     Deitar tarde e cedo erguer.....                                        Férias de "luxo"!


                                   

.

                                                                                                    

domingo, 14 de agosto de 2011

Confraria das minis - já!

Croniquetadanoiteemqueobenficaempatou


Há matéria para várias croniquetas e muitas estorinhas; a abundância baralha a imaginação, atrapalha as ideias, e por aí me fico quando a intenção de dar corpo a um texto com mediano interesse (na minha perspetiva, claro…) esbarra na incompetência de alinhavar as palavras.
… Palavra, poucas – não me atreva eu a escrever uma “carta” em branco com denúncias, todas elas associadas à pobreza das festinhas que, nesta época, “animam” os dias/noites de Verão. O “meu querido mês de agosto” merece bem mais do que a cultura tradicional enraizada nos costumes: folclore e bailarico com intérpretes que “desconhecem quem é o pai..." dos sucessos que arranham nos acordes dos instrumentos – das vozes, nem se fala! Felizmente, há exceções que confirmam a regra..
Escrevo com conhecimento de causa. Agora, na “reforma” das grandes viagens, país fora, passeio a solidão do Toyota pelas redondezas e confiro, com pena, que nada mudou na  noite estival, onde incluo as “minis da alegria”, espécie de “religião” com milhares de fiéis seguidores.
Estranho que ainda não houvesse lembrança de uma “confraria”, onde os “confrades” publicitassem as “minis” em gestos rituais – e há tantos, os gestos, com que se confunde o prazer de uma cervejinha bem fresquinha com o exagero de concursos onde não faltam asas à imaginação, ao estilo do caminho mais curto para uma valente bebedeira!
Proponho com urgência o registo no notário da “confraria das minis” – já!

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Estorinha de férias




Um dos meus amigos, que está de férias em terras do Alva, fez-me chegar esta delícia de texto, garantindo que, à socapa,  quem o escreveu foi o filho. A imagem, essa surripiei-a  na net para ilustrar a estorinha de um menino triste...


As férias
As férias são uma coisa muito bonita e boa, porque são férias, e as pessoas gostam das férias, eu também gosto das férias, este ano é que não gosto muito das minhas férias porque não me levaram à praia do mar, só vim à praia do rio e eu não gosto da praia do rio, que tem areias do tamanho das pedras, agora, nas férias, não faço nada, não há nada para fazer e eu até ando chateado com as férias, as pessoas que também estão de férias é que não estão chateadas nem nada, acendem as luzes todas das casas e das varandas e até parece que a aldeia das minhas férias, que é onde o meu pai nasceu, já não é uma aldeia, quer dizer, é uma aldeia mas com tantas luzes ligadas não parece uma aldeia pequenina, as pessoas que estão de férias e as outras vão tomar café e ficam lá sentadas, só bebem um café e eu acho que é chato, não sobra uma cadeira para mim e para a minha irmã que ainda é pequenina com cinco anos, eu já sou grande fiz nove a outra semana e o meu pai até me deu uma prenda e tudo, um telemóvel sem letras, é giro, carrega-se com o dedo e pronto, a minha mãe também anda chateada com as férias do rio, este ano não fomos ao Algarve porque os meus pais dizem que há crise em casa, não sei que é isso, mas eu também queria ir para o Algarve, aí é que as férias são uma coisa boa, há muitas miúdas e tudo, aqui não há miúdas, quer dizer, há, mas são poucas, o meu pai deve estar a chegar e vou mas é pirar-me antes que me dê um par de estalos, é sempre a mesma coisa, olha aí vem ele, cheio de férias, eu é que não…