sábado, 27 de outubro de 2018

"Deixem passar o Rio Alva"


Deixem passar o Rio Alva. Deixem-no
deixem-no passar.
Com suas aflições, securas, gritos afiados
na garganta.
Deixem passar o Rio Alva. Deixem-no
deixem-no passar.
Com suas pedras cantadas
de queda em queda.
Deixem passar o Rio Alva. Deixem-no
deixem-no passar.
Com suas hortas, batatais e quilovátios
e estrelas correntes.
Deixem passar o Rio Alva. Deixem-no
deixem-no passar.
Com suas trutas bailarinas
no véu de águas finas.
Deixem passar o Rio Alva. Deixem-no
deixem-no passar
entre dedos abertos.

Mário Castrim

quinta-feira, 11 de outubro de 2018

Dia de "Todos os Santos"

A visita de hoje ao cemitério do Barril de Alva foi de mera rotina. Como dei conta que o local está limpo e arrumado, registo o facto  e disso  dou conta na imagem anexa - como se fosse  o "Dia deTodos os Santos", que se recordará daqui a dias,  a  1 de Novembro.

sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Velhas Árvores


Olha essas velhas árvores, mais belas
Do que as árvores mais novas, mais amigas.
Tanto mais belas quanto mais antigas,
Vencedoras da idade e das procelas...

O homem, a fera, e o inseto, à sombra delas
Vivem, livres de fomes e fadigas;
E em seus galhos abrigam-se as cantigas
E os amores das aves tagarelas.

Não choremos, amigo, a mocidade!
Envelheçamos rindo! Envelheçamos
Como as árvores fortes envelhecem.

Na glória da alegria e da bondade,
Agasalhando os pássaros nos ramos,
Dando sombra e consolo aos que padecem.

Olavo Bilac