sexta-feira, 26 de julho de 2019

Rio Alva



Tirei a chinela do pé, 
Corri, molhando a saia
Senti cócegas frescas
Fiquei refescada.
A água do rio teima
Em correr apressada.
Meu pensamento vagaroso, 
Pensa: porque tem pressa a água?
Não saboreia o leito
Nem repousa no seu fundo
Ou aprecia as margens
Deste meu belo Alva.
Deixa-me repousada~
E no entanto vai apressda!
Oh, se a água parasse 
Ficava o rio sem vida., 
Sem graça, sem alma,
Água estagnada, doente, 
Matava...
Corre pois, água do meu Alva
Leva bons presságios para a costa
Vai majestosa, cristalina
Alimenta a alma peregreina 
E triste do beirão.
Sê água que cura e salva
Da tristeza e da solidão.
Sê alimento do coração

30.05.05



Fátima Faria  Rodrigues

Sem comentários: