sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Viajar à boleia

Mesmo por cima da minha cabeça, mas  a muitos metros de altura, uns quantos aviões, diariamente,  insistem em percorrer os mesmos caminhos, entre a partida e a chegada; eu estou no "meio"  da  provocação  dos meus sonhos: Açores e Maputo são os  "próximos destinos", mas ninguém os adivinha, e como não tenho maneira de me fazer ouvir daqui de baixo, os aviões nem "param" para a boleia que lhes peço,  dedo grande no ar...



1 comentário:

Geni Franco disse...

Boleia para a cidade que nunca saiu do meu coração e no caminho talvez uma breve paragem na ilha que sempre permaneceu na memoria da minha avó, ilhas Maurícias...