O dia das “verdades”

Escrevo hoje por ser dia das mentiras, o que, só por si, é uma enorme mentira.
Se este um de Abril de todos os anos fosse apenas o ÚNICO dia das mentiras, então sim, hoje seria o dia certo para o lembrar; como não é, ficamos na dúvida se devemos, ou não, instituir o dia das VERDADES.
Diz-se que a mentira tem perna curta, o que é um tremendo erro: a mentira tem passada de gigante, salto de gazela, pulo de canguru, voo de condor e … mais não digo porque não sou do tempo dos dinossauros. Afiançam que uns voavam, outros corriam como galgos…
Tenho uma certa predilecção pela mentirinha que não faz mal a ninguém, não chateia, mas detesto a mentira grossa, escrita em maiúsculas. Quando “dou de caras” com uma, travestida de verdade, fico fulo, danado! Mania minha, claro, porque as primaveras do B.I. são mais de sessenta, o que, só por si, é suficiente para  “ter juízo”…
Li por aí, há tempos, que a mentira é uma espécie de ”capa de estudante” com que cobrimos a nossa existência, toda ela repleta de… inverdades – assim mesmo: inverdades! Será? A acreditar nos argumentos do criador deste pensamento, somos todos … “mentira em carne e osso”!
Escuso-me a avançar com as explicações filosóficas do autor, mas sempre vos digo que é da sua lavra o seguinte: em criança, inventamos mentiras que nos acompanham até à tumba, e é com elas, e por elas, que somos mais ou menos felizes, mais ou menos famosos, mais ou menos ricos… e por aí fora, entre o mais e o menos da consciência… de quem a tiver – digo eu.

Comentários

mc disse…
Nem mentirinha nem mentirona...esta crônica está especial!
É a pura verdade!
bj