....................................................................................................

OOOOOOO

quarta-feira, 22 de julho de 2020

Crónica da Serra (1)


Retornei de Moçambique  com as "mãos a abanar" - nem três louvores, três, obtidos durante quase quatro anos ao serviço da tropa me trouxeram “honra e glória”.
Eu, o retornado…
Um quarto de século  depois, as memórias da minha aldeia  eram intensas, principalmente dos quatro anos  passados na escola primária, no Barril de Alva, onde aprendi a "ler, a fazer contas" e outras coisas mais...
Fiquei por Lisboa…
No uso da enxada como “aprendiz de jornalista” desbravei caminhos sinuosos e inclinados…
.. e assim fiquei, até aos dias de hoje: “aprendiz de tudo”!
Nesse tempo de incertezas, fui repórter e cronista.
Durante algum tempo, num semanário publicado em Lisboa, mantive uma secção denominada “CRÓNICA DA SERRA”. Vem daí o uso “abusivo”  de chamar “minha” a Serra do Açor. É minha, a serra, e de quem a quiser sua, desde que lhe tenha  algum tipo de amor, talvez um pouco de paixão, que é coisa  com pouco alcance  físico. Espiritualmente, não.
É por aí, nesta mescla de sentimentos e emoções, que (também) me entendo com a terra onde nasci: amor quanto baste e uma pitada de paixão, sem exageros desmedidos - existem outras “pátrias” que me preenchem o espírito, a alma.
… mas o Barril de Alva, ai o Barril de Alva!!!




Sem comentários: